Microagulhamento (IPCA)/ MMP®

Microagulhamento (IPCA) é um tratamento inovador que pode ser usado para um amplo espectro de indicações quando o objetivo é estimular a produção de colágeno, constituindo uma arma adicional no arsenal terapêutico do dermatologista. O procedimento é bem tolerado com anestesia local e consiste na aplicação de cilindros com agulhas diminutas que produzem punturas na superfície da pele, múltiplas vezes, objetivando um estímulo inflamatório e consequente produção de colágeno com preservação parcial da epiderme, que é apenas perfurada e não removida, o que facilita a recuperação mais rápida do indivíduo.  Com base nas considerações da literatura científica disponível, o IPCA pode ser usado:

a) Como sistema de entrega de princípios ativos (drug delivery) no rejuvenescimento, como retinol e vitamina C.

b) Como estímulo isolado no rejuvenescimento da face, melhorando a cor, textura e brilho da pele.

c) No tratamento da flacidez da pele e na atenuação de rugas, uma vez que promove a produção de colágeno, e fornece aumento de volume na área tratada, com base no estímulo descrito no item b.

d) Na correção de cicatrizes retráteis, distensíveis, deprimidas e onduladas, bem como na melhora das estrias recentes e antigas.

Descrita recentemente, nesta mesma linha de raciocínio, a técnica de MMP® (microinfusão de medicamentos pela pele) promove a infusão de medicamentos (drug delivery) associada ao procedimento de microagulhamento, utilizando aparelho similar àquele para tatuagens e agulhas apropriadas, que atendem a princípios adequados de esterilização do equipamento e descarte de material pérfuro-cortante. Mesmo quando a função de infundir medicamentos não é utilizada por opção do médico, os próprios orifícios produzidos pela máquina já possuem efeito semelhante ao do uso de rollers (cilindros com agulhas).

Com essa técnica infundimos medicamentos na derme superficial, para que possa agir no local ideal para tratamento de algumas doenças de pele, evitando a ingestão de drogas por via sistêmica.

Sua associação ao tratamento clínico padrão nos casos de Alopecia Androgenética (masculina e feminina) tem tido os resultados mais consistentes. A aplicação é realizada na área afetada do couro cabeludo sob anestesia local com intervalo mensal. A quantidade de sessões necessárias depende do estágio da queda capilar.

Na Leucodermia Gutata (“sardas brancas” dos braços e pernas) ocorre um estímulo ao retorno da pigmentação normal da pele que se pode observar a partir da 2a semana após o procedimento. O tratamento é bem tolerado, causando leve desconforto e não há necessidade de anestesia. Antes da MMP® essas manchas praticamente não tinham resolução.

Cicatrizes hipertróficas e Quelóides podem ter redução de sua altura, rigidez e largura com este método.

Também podem ser tratados pela MMP®: o envelhecimento (rugas leves, melhora de qualidade, textura e manchas), estrias (melhor resultado nas finas), Melasma (manchas escuras da face), verrugas e até Psoríase (tratamento de lesões localizadas associado ao tratamento clínico).

Cada tratamento é feito com medicações individualizadas para cada caso e pode necessitar de sessões repetidas mensalmente.

Cabe destacar que a MMP® é técnica que exige conhecimentos específicos para sua realização e, por este motivo, recomenda-se que os pacientes procurem por dermatologistas que sejam sócios da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Referências:

  • Alopecia Androgenética masculina tratada com microagulhamento isolado e associado a minoxidil injetável pela técnica de microinfusão de medicamentos pela pele – Surg Cosmet Dermatol 2016;8(2):158-61.
  • Microagulhamento: estudo experimental e classificação da injúria provocada – Surg Cosmet Dermatol 2013;5(2):1104.
  • Microinfusão de medicamentos na pele através de máquina de tatuagem – Surg Cosmet Dermatol 2013;5(1):704.